O Carnaval contra o preconceito racial

0
152

Passistas integrantes da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro emplacam campanha contra intolerância racial

 

O projeto intitulado – “Samba, pretinha” dá voz a muitas mulheres no mundo do samba e do carnaval. Encabeçadas por passistas, em especial as que desfilam pelo G.R.E.S. Acadêmicos do Salgueiro, o projeto, além de campanhas nas ruas, no WhatsAppblocos engajados e fantasias girl power, é mais uma iniciativa para combater o machismo no Carnaval. E, neste ano, o mesmo completou-se dois anos de sucesso e engajamento contra o preconceito de gênero e de raça na folia.

À frente do “Samba, pretinha” Larissa NevesMirna MoreiraRafaela Dias Sabrina Ginga, nomes das idealizadoras da ação. E todas são passistas do Salgueiro. Além de belas, as meninas são inteligentes, pois são estudantes universitárias – de psicologia, medicina, educação física e ciências sociais, respectivamente. Para propagar o projeto, muitas palestras em escolas municipais e quadras de escolas de samba coirmãs, com um único objetivo: dar voz a todas as passistas e debater o papel da mulher no samba.

A ideia de levantar essa bandeira no mundo do samba e do Carnaval começou quando uma das passistas – Mirna sofreu ataques racistas nas redes sociais. A partir daí, as amigas decidiram que era o momento de agir. Elas começaram então uma roda de conversa dentro da própria quadra do Salgueiro, com as demais passistas e integrantes para debater o assunto e aí, acabaram percebendo um problema maior: que as passistas não tinham voz, nem dentro e nem fora das escolas de samba.

A partir desse fato é que nasceu o projeto “Samba, pretinha”. Uma forma de empoderamento destas mulheres, do direito de fala e de discutir o machismo e o racismo ainda muito presentes no Carnaval e na relação da sociedade com elas na posição de passistas, passando por temas como hipersexualização e objetificação da mulher negra, autoestima, além de formas de agir e se defender.

Texto: Clinton Paz – Jornalista PeopleConnected.

Fotos: Paulo Roberto Nascimento.

LEAVE A REPLY